INGÁ ORTHOS

CASO CLÍNICO 19: SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO

Paciente do sexo feminino de 50 anos, dependente de militar, tabagista, diabética, procurou o Serviço de Ortopedia da 3ª Policlínica com queixa de dor em queimação e dormência nas mãos há mais de 3 anos, com irradiação para os membros superiores e piora à noite, sendo mais intensa na mão direita. Relata que foi submetida a cirurgia no punho esquerdo com recorrência das dores após alguns meses. 

Ao exame, apresenta dor a percussão da região volar do punho (Sinal de Tinel positivo) e dor a flexão aguda dos punhos durante aproximadamente um minuto (Sinal de Phalen positivo).

O diagnóstico de Síndrome do Túnel do Carpo foi confirmado por exame de eletroneuromiografia, caracterizada pela compressão do nervo mediano em um canal formado pelos ossos do carpo, e cujo teto é o espesso e inelástico ligamento transverso do punho.

A paciente foi orientada para realizar tratamento cirúrgico por via endoscópia em ambos punhos, mas somente após o controle do diabetes mellitus e da hipertensão arterial, reforçando a necessidade de suspender o fumo.

A doença acomete principalmente mulheres acima de 40 anos, com sintomas de dormências e formigamentos nos dedos do polegar, indicador e metade radial do anelar, associado com atrofia de musculatura tenar, perda de tato e da força de preensão nas mãos, além de apresentar dificuldade de realizar movimentos finos como, por exemplo, costurar.

Freguentemente o paciente sente um formigamento incomodativo a noite melhorando após movimentar ou sacudir os dedos da mão.

O tratamento consiste em seccionar o retinaculum flexor do punho a fim de descomprimir o nervo.